Dia 17 de março é a data do meu Ano novo, porque é nesse dia que a minha vida tem um privilégio de ganhar mais um ciclo completo. Eu agora estou nos meus 19 anos e consigo enxergar as mudanças significativas que a minha vida teve de um ano para outro. Lembro-me de que quando estava para completar 18 anos eu acreditava tão piamente que nada mudaria, fui estúpida mas minha estupidez trouxe surpresas muito boas e claro que algumas foram ruins também só que tudo têm feito parte da minha história, por mais que doa todas as minhas bagagens me trouxeram amadurecimento, visão crítica sobre mim, auto-conhecimento… Tem uma frase do filósofo Sartre que o meu Pai sempre diz para que é: “Não importa o que fizeram de mim, o que importa é o que eu faço com o que fizeram de mim.” e assim estou tentando seguir nessa trajetória pegando as dores e procurando transformá-las em flores. Nesses anos errei na minha inocência, algumas vezes errei conscientemente… e isso é o ser humano, alguém que possui defeitos e que deve respeitá-los sabendo que faz parte do que somos, porém podemos ameniza-los. Que perdoem os meus atos errôneos e acima de tudo que eu sempre me perdoe…
Eu sou grata (mesmo sendo ao mesmo tempo ingrata) a Deus pelas oportunidades que me tem sido concedidas, dos ensinamentos que ele proporcionou a mim e das pessoas que ele trouxe, porque com cada uma delas eu aprendi o verdadeiro sentido de amar e amar não é romancear e idealizar as pessoas esperando sempre que elas correspondam as suas expectativas tolas, mas sim que você se reconheça no outro. Talvez seja cansativo demais esperar por tudo que imagino que podem ser e por isso peço que me surpreendam. Acho que a cada dia eu me torno mais humana quando me deixo tomar por empatia e me sinto tocada por uma realidade que não faz parte da minha, reconhecendo assim alguns dos meus privilégios sociais e através desses vou procurando me desconstruir daquilo me deram como a verdade.
Sim, eu cresci intelectualmente, fisicamente, espiritualmente e emocionalmente muito mais que o esperado e agradeço demais por isso, mesmo que algumas mudanças possam ter me assustado. Afinal, por mais necessário e positivo que consideramos as mudanças elas de alguma maneira sempre irão nos assustar, só apesar de todo o medo a cada dia vou me permitindo a tais.
Gostaria de terminar agradecendo aos amigos que me fazem sentir que eu não sou sozinha nesse planeta, que me estendem a mão sempre que eu preciso, que se me permitem aprender comigo, que me ensinam, que amam junto comigo… Vocês fazem parte do meu coração e eu não vou colocar nenhuma limitação nesse afeto e muito menos vou dizer que é eterno, esse sentimento é o que é não preciso explica-lo e nem fazer promessas. Também por último e mais importante a minha família que tenho o maior amor, apreço, carinho… que dá liga a todo minha estrutura e que tenho a certeza viva de que sempre me ajudará. Obrigada Pablo, Pietro, Leda e Wilton por não serem apenas família no sangue, mas família na verdade e no mais puro sentimento. Je vous aime!

Anúncios